1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9:

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Sexo e a cidade: em busca do bar de date ideal

Em São Paulo todo mundo está procurando um trabalho, um apartamento e um amor. Essa frase não é minha, é da quinta temporada de Sex and the City, e fala sobre a Nova York idealizada de Carrie, Miranda, Charlotte e Samantha, mas minha amiga Tany adora usá-la para falar sobre a nossa vida em São Paulo.

Na semana em que me mudei, sete dias depois do meu aniversário de 25 anos, comecei a assistir Sex and the City. É claro que fiz isso. Não existe nada mais clichê do que ser uma jovem adulta na cidade grande que compara suas experiências com Sex and the City. Por mais que eu não espere encontrar na série um espelho da minha realidade, preciso concordar que todo mundo aqui está mesmo procurando um trabalho, um apartamento e um amor, e parece que eu estou sempre em busca dos três.

Nessa economia o amor tem sido a ambição mais simples de resolver, e por amor eu me refiro também à experiência de sair com uma pessoa, conversar a noite inteira e depois nunca mais falar com ela. Tendo em vista essa motivação, há algumas semanas minha amiga Hianna descobriu um novo bar com potencial para ser um bom bar para dates e eu e Tany fomos as cobaias escolhidas para testar o estabelecimento - afinal, date de amigas é o único date ideal.


Tratava-se do Mundi Bar, em Perdizes, inaugurado em abril desse ano com a promessa de trazer drinks do mundo todo com inspiração nas viagens do empresário, um farmacêutico e bioquímico que largou tudo por sua paixão por viagens e coquetelaria. Uma clássica história de empreendedorismo!!!

Posso falar mais sobre o estabelecimento depois, mas não tenho muitas informações para oferecer pois ficamos bêbadas muito rápido e estávamos no Mundi Bar naquela noite para avaliar algo mais complexo do que comes, bebes e o nível de arrombamento da experiência. Quando saímos de lá para tomar uma cerveja num lugar mais barato, a pergunta que não queria calar era: seria o Mundi Bar um bom bar para dates?

A conclusão foi não, e tal e qual Carrie Bradshaw voltei para casa pensando: numa cidade em que todo mundo está em busca de um amor, o que seria um bar de date ideal?

Inspirada pela montagem tosca no início de cada episódio, fui atrás dos meus amigos em busca de uma resposta para essa urgente questão.


Matrona da busca pelo bar de date perfeito, Hianna Alves - 34, "infelizmente heterossexual" e identificação pessoal com Miranda Hobbes - deu um bom panorama sobre o que se deve buscar nessa empreitada:
"Apesar de andar num momento de extrema preguiça com homens em geral, date costuma ser uma situação gostosinha, mas que me deixa sempre ansiosa. Num primeiro contato, prefiro que seja perto de casa. Assim, se for ruim, não vou ter gastado dinheiro à toa com transporte. Se for bom, já posso quem sabe até estender o date. Também prefiro que seja num lugar no qual eu já esteja familiarizada. Date é uma oportunidade que você tem de conhecer e conversar com a pessoa, então é arriscado demais ir a um lugar desconhecido para ambos. Vai que é barulhento ou cheio de jovens ou cheio de jovens barulhentos? Desastre total.
Aqui em São Paulo a gente encontra muito bar conceito que investe mais em balcão do que em mesa. Eu acho essa ideia simplesmente péssima. Tem que ter mesa pra vocês sentarem um de frente pro outro e formar assim aquela atmosfera gostosa de flerte e de olhares. Cerveja e uns petiscos costumam funcionar bem. Você não corre o risco de ficar bêbada rápido demais (e falar umas bobagens) nem de comer algo muito pesado que pode atrapalhar na hora do beijo."

"Primeiramente elimine todos os espaços de luz alta", é o conselho de Ana Clara, 28, heterossexual, sommelier e Charlotte relutante. "Se você sente que durante a noite quer beijar, senta no balcão ou em um sofá.", complementa, mas a dica de ouro é: "Se você não tem certeza do tanto de assunto que vocês vão ter, escolha um lugar que vai ser um assunto em si. Um bar peculiar ou temático."

Barbara Reis, 21 anos, bissexual se descobrindo a verdadeira Carrie Bradshaw do grupo, usou o estabelecimento Buraco, no centro de São Paulo, para ilustrar seu ponto: "É pequeno, intimista, tem mais bancos fofos do que cadeiras, o que te força a sentar do lado do date, o que acho muito propício. Se estivermos pensando em um date heteronormativo, o perigo de andar sozinha pelas ruas do centro pode ser usado como desculpa para estender seu tempo com o date. Sem falar que tem um potencial inegável para trocadilhos, o que eu valorizo enquanto mulher com vênus em sagitário."


Stephanie Noelle, 29 anos, uma amiga chique e uma personagem de Sex and the City sui generis, escolheu o Riviera Bar como seu favorito. "Eu sou muito chata com bar de drinks, bar de date então... A carta de drinks tem que ser ON POINT. Luz baixa, mas não muito escuro pelo amor de Deus. Luz de vela às vezes mas nem sempre."

A iluminação foi um critério apresentado por quase todos os meus amigos. Matheus Fernandes, 25 anos, gay e Samantha - "engraçada e puta" - disse: "Primeiro date tem que ser em bar de amante, não adianta: luzinha baixa, musiquinha de fundo, garçons discretos que não ficam palpitando. De preferência com uma boa carta de drinks, um vinho, caipirinha, e petiscos. Não vai pedir um OMELETE DE SHIMEJI igual o [redacted] fez comigo."

Odhara Caroline, 25, heterossexual, Miranda attitude/ Carrie feelings, lembrou da importância da sobremesa: "Cadeiras confortáveis, um bom espaço entre as mesas e SOBREMESAS pra você dividir um petit gateau com o possível mozão."

A menção ao petit geateau me fez pensar no Paradigma do Bar Ruim proposto por Antonio Prata, o qual já explorei em outra ocasião.
"Se bem que nós, meio intelectuais, quando convidamos uma moça para sair pela primeira vez, atacamos mais de petit gateau do que de frango à passarinho, porque a gente gosta do Brasil e tal, mas na hora do vamos ver uma europazinha bem que ajuda." 
Antonio Prata - Bar ruim é lindo, bicho!
"A maioria dos encontros de Tinder e coisas do tipo eu levo em bar ruim, que na verdade não acho ruim, mas se o encontro for uma bosta eu não tô gastando muito dinheiro", é a estratégia de Tany Monteiro, 30, "lésbica + Harry Styles", a outra Samantha da minha vida. "Sempre levo em boteco que tenha litrão, que nenhum dos meus amigos vai, e perto de casa porque assim não gasto passagem de metrô. Se for uma bosta o date deu tipo R$20 pra cada. Quanto mais trash melhor, não levo pessoas pra comer e se possível um bar que não tenha nem lugar direito pra sentar."

Contudo, para Matheus Fernandes, informalidade e intimidade são privilégios para dates futuros. Matheus foi responsável por introduzir um conceito muito importante na minha vida amorosa, o da quebra da quarta parede, que tem tudo a ver com a iluminação do local e também com a disputa entre bares ruins e sofisticados. Posso explorar isso numa futura oportunidade, mas fica a recomendação pra vocês: "Depois que criar intimidade [quebrar a quarta parede] taca uma luz alta, manda uma hamburgueria, o que você quiser, mas primeiro date é comida leve, carta de drinks bafo e luz baixa."


Outra grande controvérsia entre os entrevistados foi a respeito do lugar onde sentar. Tem gente que gosta de sentar do lado, tem gente que gosta de balcão, tem gente que gosta de sentar de frente. Clara Browne, 24, se identifica com a cidade de Nova York, a quinta protagonista de Sex and the City, e foi taxativa sobre sentar de frente ser a única opção possível: "Date é pra me admirarem, eu ser validada e daí nunca mais ver a pessoa na vida."

Lucas Rocha, 30 anos, gay do Rio de Janeiro e Charlotte com convicção, afirma: "A experiência de sentar de frente foi ruim. Atrapalhava o toque, a aproximação. Do lado é mais fácil de dar uns beijos. Balcão nem." Luisa Pinheiro, 27 anos, heterossexual, maranhense vivendo em Curitiba, introduziu uma opinião polêmica: "Aqui em Curi é bom tomar chopp em pé para dates também caso as pessoas não estejam tão cansadas. Se for pra sentar que seja de frente, traumas de Gilmore Girls!!!"

Também não sei escolher: já sentei de frente, de lado, no balcão, em sofás e até no colo, e acho que existe o momento certo para cada uma dessas configurações. Minha única certeza é que odeio sentar como se estivesse pilotando a mesa ao lado da pessoa.


Além dessas questões básicas que introduzi a todos os entrevistados, um tema que surgiu em várias conversas e não pode ser ignorado em 2019 diz respeito ao AMOR LÍQUIDO. A melhor solução foi dada pela Luisa, que disse se identificar com a Mouse de The Carrie Diaries mas é a Samantha de acordo com o teste do Buzzfeed, o que pode ser comprovado empiricamente através da seguinte declaração: "[ O bar de date ideal é] Qualquer um que não seja seu bar preferido pra você não acabar perdendo seu bar pra outra pessoa. Mas pode ser o bar preferido da outra pessoa pois fodasse kkkkk".

Seria o nosso relacionamento com os bares o verdadeiro romance dessa história?

Para garantir representatividade na amostragem da minha pesquisa, achei que seria importante ouvir a opinião de um homem hétero. Afinal, o que querem os homens heterossexuais?
"Nem sei mais o que é isso, não sou de marcar dates. Mas se marcar provavelmente será no Beirute da Asa Norte. O Beirute é um dos bares mais antigos de Brasília, talvez o mais. Na verdade o da Asa Sul, o da Asa Norte abriu um pouco depois mas atualmente é mais frequentado. Gosto disso, de lugares já tradicionais e que grupos variados de pessoas frequentam, não só os jovens. Tenho aversão a lugar de jovem." 
Túlio Amaral, 28, disse que não tem condições de responder qual personagem de Sex and the City mais se identifica e não soube citar um outro personagem de série, então escolheu o Menino Maluquinho. 

Se você está familiarizado com Sex and the City provavelmente sabe que chegamos no final do episódio, o momento em que Carrie Bradshaw tem alguma epifania sobre o tema da vez. Eu já tive dates que começaram em livrarias (infelizmente mais de um), dates de café da manhã, date em que fui direto do trabalho sem saber que era um lugar chique (com piano e luz de velas!!) (dica: sempre tenha um batom vermelho na bolsa), e alguns dates absolutamente perfeitos - seja em bares ruins, em que éramos interrompidos por bêbados e gente querendo vender poesia, ou bar de amante com taça de cristal. Mas eu não sou a Carrie pra tirar uma conclusão a partir de alguma dessas experiências supostamente reveladoras.

Ainda não sei qual personagem de Sex and the City mais me identifico, mas adoro quando dizem que sou "muito Miranda", por isso encerro essa investigação dizendo que estou solteira e disponível para testar bares de date. O importante é a jornada não sei o que não sei o que lá. Feliz dia dos namorados!!

terça-feira, 11 de junho de 2019

Borba Gata: O que é isto, a Arte Feia?

Quando a AV [N/E: Anna Vitória] veio falar comigo sobre fazer esse humilde blógue, na época ainda não nomeado, ela me prometeu uma coluna pra eu escrever sobre algo que é a minha verdadeira paixão, mas que também é essencial na história da nossa amizade: a Arte Feia. Como de costume, eu esqueci dessa promessa. Então, a AV criou o blógue e, obviamente, fiquei muito inspirada por tudo nele. Outro dia, AV me lembrou da promessa que tinha feito e fiquei feliz como se fosse a primeira vez que estava recebendo o convite (na minha cabeça, era) e, assim, surgiu a coluna Borba Gata, em homenagem ao Borba Gato, a estátua que melhor resume a Arte Feia. No entanto, é imprescindível dizer que meu nome é Clara e, apesar de eu ser gata, eu não atenderei ao nome de Borba Gata. Esse é apenas o nome desta coluna, não desta pessoa que vos escreve (eu).

Achamos que antes de eu falar de Arte Feia, algumas coisas precisavam ser explicadas. Por exemplo: quem sou eu?, o que é Arte Feia?, o que faz uma Arte Feia ser boa?, qual é o corte? São questões complexas que aqui tento introduzir.

Todos os anjos são filhos de @/deus - Arte feia sob tela do computador ou celular (2018)
(Arte: Clara Browne)
"Quem sou eu?" é uma pergunta muito filosófica pra se responder assim no blogspot.com. No livro O Que é Isto, a Filosofia? (1956), o senhor doutor (aqui estou assumindo que ele era doutor, não vi o lattes dele) Heidegger tenta responder a pergunta dividindo-a em três partes: "o que é o o que?", "o que é o é"?, e finalmente "o que é a filosofia?". Como uma pessoa que não lê, eu não li esse livro. Eu também seria uma pessoa muito chata se aos 24 anos já tivesse lido O Que é Isto, a Filosofia?, do Heidegger. Eu não vou dividir as minhas perguntas em várias outras, mas fica aqui o sonho de ser esse tipo de pessoa, a chata. O que digo a vocês é que meu nome é Clara, é claro, e o resto vocês vão descobrir me lendo e/ ou me seguindo nas redes sociais (fica aqui o apelo: por favor, não me sigam na rua ou em nenhum espaço físico, em pessoa).

Uma Arte Feia e eu meio feia pra combinar
(Foto: acervo pessoal de Clara Browne)

Também digo aqui que eu amo arte. Eu tenho opiniões muito fortes sobre todas, e eu gosto muito de artistas sérios e consagrados, como Yves Klein, Basquiat e Lygia Clark, se for pra jogar uns nomes espertos. Mas se for pra escrever coisa consagrada, eu faço mestrado e doutorado. Aqui, vou falar de algo muito mais importante e pouquíssimo olhado pelos críticos e estudiosos, um nicho gigantesco quando você para pra prestar atenção, a coisa mais assustadora e fascinante que existe na nossa sociedade: a Arte Feia.

Agora diferente de quem sou eu, que pode ser algo meio largado (até porque minha terapeuta me ensinou que a noção de um eu coeso é uma ilusão) (ILUSÃO!!!!!) é importante delinear o que é a Arte Feia. Não vou explicar o que é o o que, ou o que é o é pra isso. Leiam Heidegger se quiserem saber. Também não vou explicar o que é arte, porque esse é um debate interminável. Mas vamos usar aqui a definição capenga e ao mesmo tempo marota que veio com o Modernismo de que Arte É Tudo Aquilo Que Artista Faz. Ou seja (mas mais ou menos): arte é qualquer coisa. Você só tem que Querer que essa qualquer coisa seja arte. Mas Arte Feia não é qualquer coisa que você quiser.

Pra começar, Arte Feia não pode ser bonita. E, por bonita, quero dizer que não pode ser algo que você olha e sente um prazer estético genuíno. A Arte Feia é algo que dói o olhar, que te ofende não por questões políticas, mas por questões estéticas.

Sabe aquela coisa que você odeia tanto que você ama? Aquela coisa que é tão horrível que te faz rir descontroladamente? Aquela imagem tão absurda que faz até o caos ao seu redor parecer razoável? É disso que eu tô falando. É o inexplicável. É a essência do Nada A Vê. É o que alguns chamam de Calamidade. É o Borba Gato, pai da Arte Feia. É a camisa nada a vê do Pluto que eu achei na Zara uma vez. Os leões da Grécia Antiga. O sapato Crocs na cor roxa. São as vacas mais feias da Cow Parade. É, talvez, a existência da Cow Parade por si só. São os bbs Jesus renascentistas.

A Arte Feia atravessa os séculos, desconhece limites geográficos, não se retém a uma única forma, objeto ou artefato.

A Arte Feia é um objeto visual que transcende a necessidade de uma única forma. Pode ser um quadro, uma estátua, uma blusa, um detalhe de uma fonte no parque Trianon. A Arte Feia transcende a própria noção de objeto, fazendo dele Algo Além. É o mesmo sentimento quando você vê um quadro que você gosta. É a mesma admiração, a mesma contemplação, mas às avessas. É algo que você olha e você simplesmente Sabe. É uma experiência transcendental e contemplativa.

A camisa nada a vê do Pluto que eu devia ter comprado
(Foto: acervo do Instagram Stories de Clara Browne)
Agora é importantíssimo que vocês entendam: a Arte Feia não é qualquer objeto visual que é feio. A Arte Feia te deixa FELIS, com s. Ela te desconserta e te tira da sua realidade estética, fazendo disso uma experiência única e memorável. Existem muitas artes que são feias no mundo e nem todas podem ser consideradas Arte Feia. Artes que são feias te deixam triste, te deprimem, fazem você querer desistir de tudo porque o mundo não tem salvação. A Arte Feia é o contrário: ela te enche de uma alegria inexplicável, ela vai sempre trazer a felicidade mesmo que quando apenas na memória, ela te faz acreditar que o mundo pode ser salvo porque Ela, a Arte Feia, existe. E é a isso que essa coluna será dedicada.

Se você não entendeu perfeitamente o conceito, não tem problema. Afinal, esse aqui é apenas um blogspot.com, não um livro teórico. É por isso também que você está lendo: porque é apenas um blogspot.com, não um livro teórico. E eu te respeito por isso. E também entendo que existe um poder nisso, uma potência. E, por isso, por causa dessa potência, que hoje te convido a deixar o mundo mais FELIS junto a mim e à Arte Feia.


Clara Browne é uma pessoa, não um bolinho. Borba Gata é sua coluna para falar de Arte Feia e filosofias de botequim quando enjoar de tanta Arte Feia. Você pode encontra-la no instagram @brownebrownie, no tuíter @BrowneBrownie, na sua newsletter ou na sua casa, mas essa aí fica pros íntimos.

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Também sou hype e odeio isso: uma visita ao Tokyo 東 京

- Quem é moderno aí, meu?

Tudo começou a dar errado quando a MTV Brasil - aquela MTV Brasil com a Sarah apresentando o Disk, o canal que me fez querer ser a Marina Person, aquela MTV do Beija Sapo e do Hermes e Renato - acabou. A MTV não era um canal perfeito, mas nos seus melhores momentos ela era capaz de um humor quase anárquico e bastante autoirônico que faz falta nos dias de hoje. O mundo não ficou mais chato por causa do politicamente correto, o mundo ficou mais chato porque a gente não assiste mais Hermes e Renato.

A MTV conseguia rir de si e do seu próprio público sem cair no cinismo que percebo hoje de pessoas que não se permitem gostar de nada, estão o tempo todo brigando pra ver quem é mais autêntico, correto e desconstruído sem construir nada ou enxergar as próprias contradições, enquanto do outro lado têm os sem noção de sempre. A MTV e a cultura jovem criada por ela era muitas vezes ridícula, mas pelo menos ela sabia disso e dava umas risadas.



Toda essa reflexão pra dizer que odiei o ter amado minha primeira visita ao complexo Tokyo 東 京.


Same energy
(Fonte: perfil oficial de Barbara Reis, amiga pessoal e referência em juventude)

Para o complexo Tokyo 東 京 , definir-se é limitar-se. "Rooftop, bar, karaokê, restaurante, exposições, cinema, teatro, design, tattoo, experimentações, instalações, pista de dança com vista para o Copan e o Edifício Itália", é como se apresenta o estabelecimento em sua página oficial. No mesmo site, somos informados que o complexo Tokyo 東 京 fica localizado em "um prédio modernista e tombado de 9 andares, idealizado pelo arquiteto Oswaldo Arthur Bratkeem 1949, bem no meio do coração de São Paulo".

Em sua página no Facebook, o conceito do Tokyo 東 京 é expandido: "Um Bar no Terraço de um prédio. Karaokês inspirados nas noites de Shibuya. Um Restaurante com o clima da capital japonesa. E uma Pista de Dança na cobertura. Tudo isso no mesmo lugar. No centro de São Paulo."

Que raiva de tudo nesse texto!!!!


Minha visita ao complexo Tokyo 東 京 se deu no fim de tarde de um belo domingo de outono, e ouso dizer que essa é a melhor circunstância para se conhecer o local (guarde essa informação). De acordo com o calendário de festas, era dia de Tieta, evento que promete discotecagem de música brasileira na cobertura (rooftop) do prédio, o que você pode traduzir como "festa da esquerda festiva", termos que minha amiga usou ao me convidar na referida ocasião.

Disse que odiei ter adorado a experiência porque poucas vezes me senti tão parte de um TARGET como dentro do complexo Tokyo 東 京. Por conta de sua intensa presença digital na rede social Instagram, era de se pensar que eu estivesse imune aos encantos do local, como a vista do terraço (rooftop) e os letreiros engraçadinhos de neon, mas assim que alcancei o nono andar fui atraída como uma mariposa para o letreiro "ME ABRAÇA ME BEIJA". É claro que tudo ali foi pensado pra isso, para que pessoas como eu se encantassem e fossem quase obrigadas por forças superiores a parar e tirar várias fotos.

Eu era tão o público alvo daquele evento que até mesmo as músicas que tocavam pareciam saídas diretamente da playlist SUCO DE BRASIL (prestigiem!!), de minha autoria, que não tem nada de original e ousada, e esse é justamente o ponto. No complexo Tokyo 東 京, fui forçada a encarar o fato de que no fundo eu sou mesmo uma grande basiquinha. Esse encontro com minha própria banalidade foi importante pra lembrar que quase ninguém é tão especial e único assim, todo singelinho é um bichinho de matar com pedra em potencial. Talvez o seu ponto fraco não seja a mistura de luzes neon em prédios velhos de arquitetura modernista e uma playlist com Timbalada e Banda Eva, mas pouca gente está a salvo de ter sua personalidade traçada numa reunião de publicitário.

Eis aqui um exercício de humildade para essa sexta-feira: que tipo de música o Hermes e Renato faria sobre você?

Meu nome é Anna Vitória e eu contribuo para a publicidade espontânea da cena alternativa de São Paulo e de grandes marcas de cerveja (Foto: acervo pessoal)
E como o grande clichê que sou, é claro que minha sala favorita do complexo Tokyo 東 京 foi o karaokê. A fila pra cantar estava gigante, e a funcionária responsável, além de zoar meu nome, acabou esquecendo de me colocar na lista e eu e meus amigos tivemos que ir embora sem cantar. Mesmo assim o ambiente era agradável, propício para amizades espontâneas, acolhedor pra todo mundo que quisesse cantar junto, as pessoas tinham um excelente repertório e todo mundo parecia ter mais de 25 anos. Acredito que esse cenário mude nos dias e horários mais convencionais para uma casa noturna, mas eu gosto é de festa que acaba cedo e que começa quando os jovens ainda estão se recuperando da ressaca de sábado.

A grande surpresa da noite ficou por conta do casal hétero mais coxa do local, que parecia completamente deslocado, mas que em determinado momento da noite surpreendeu a todos com um inspirado dueto de Cher - Believe.

Preciso dizer que a sala do karaokê tem uma placa com a foto do Bill Murray, e eu disse "ah não" quando vi, mas a verdade é que eu ainda choro sempre que vejo Encontros e Desencontros e lamentei que o local não tivesse perucas cor-de-rosa à disposição - eu assumiria o risco de pegar piolho de desconhecidos para viver essa experiência. Fica aí a sugestão para o complexo Tokyo 東 京.





O único aspecto em que não me encaixo no público alvo do complexo Tokyo 東 京 é em relação ao poder aquisitivo. A entrada nesse dia era gratuita, mas o preço das coisas no bar era meio intransponível, ainda mais para o último domingo do mês. Tomei uma long-neck de R$13 e lembrei por que não frequento baladas de São Paulo. Minha amiga pagou R$10 por uma água de coco.

O saldo final fica por conta da música da finada banda NX Zero que não tive a chance de cantar: entre razões e emoções a saída é fazer valer a pena. Pra mim valeu.

8/10