1: 2: 3: 4: 5: 6: 7: 8: 9:

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Borba Gata: A oitava maravilha do mundo

Apesar de todo o horror, toda crueldade, todo o sangue derramado, ouso dizer que os bandeirantes trouxeram o total de 01 (uma) coisa boa à História Mundial: o Borba Gato. Digo, não o Borba Gato, pessoa histórica que participou das Bandeiras, matou e escravizou indígenas, e ainda assassinou um fidalgo (???) e depois fugiu pro sertão de Minas Gerais. Tô falando da impávida e colossal estátua do Borba Gato, na entrada de Santo Amaro, na zona sul de São Paulo.

Impávido colosso (Autor desconhecido)

Muito se fala sobre a cidade de São Paulo. Os lugares escondidos no centro, os skatistas convivendo com os atores na Roosevelt, os lugares moderninhos de Pinheiros, os alternativos todos iguais da Vila Madalena, o orgulho da ZL, e agora ainda temos os homens adultos de terno dirigindo patinetes pelas áreas empresariais. Mas o que muitas vezes se perde em todos os comentários sobre essa cidade que não consegue aceitar o biscoito em seu coração é a gigantesca e confusa região de Santo Amaro.

A região que se tornou município independente em 1833, mas voltou a ser incorporada pela cidade de São Paulo em 1935. A região que mais teve imigrantes alemães da cidade, misturado a um fluxo pesado de migrantes nordestinos. Uma região com tanta gente, tanto comércio inexplicável, e tanto de tudo que é impossível descrever. Santo Amaro é uma experiência de vida. O distrito que abre a gigantesca zona sul de São Paulo (aka: o pescoço da girafa no mapa) e que é aberto pelo impávido Borba Gato.


terça-feira, 24 de setembro de 2019

A corrida espacial do hambúrguer vegetal: o futuro chegou?

Nos anos 60, quando os cientistas quebravam a cabeça em busca de maneiras de levar o homem e alguns cachorros para a lua, o futuro prometia carros voadores, botas prateadas e naves espaciais. Em 2019, enquanto não colonizam o espaço, cientistas e grandes corporações quebram a cabeça em busca de maneiras da fazer o hambúrguer vegetal perfeito.

As pessoas finalmente estão se ligando de que o mundo vai acabar antes que a gente consiga fugir daqui, então é preciso fazer alguma coisa - nem que seja um sanduíche.

Por mim tudo bem.



Futuro, não por acaso, é o nome do "primeiro hambúrguer brasileiro 100% vegetal". Segundo o veículo especializado Prazeres da Mesa, o Futuro Burger é feito a partir de proteína de ervilha, proteína isolada de soja e de grão-de-bico, e beterraba. Com 17 gramas de proteína, a iguaria ambiciona igualar os índices proteicos do Futuro Burguer aos valores nutricionais da carne vermelha.

Mas o pulo do gato está mesmo na FRUIÇÃO do Futuro Burguer. Diferente dos hambúrgueres vegetais que estava acostumada, ele vem com a promessa de oferecer uma experiência muito similar a de um hambúrguer animal, com a mesma cor, textura e suculência de seu parente da indústria pecuária. A beterraba, aliás, faz as vezes do rosadinho da carne - também conhecido como sangue - daquele hamburgão no ponto da casa que o diabo adora.

A primeira vez que provei um Futuro Burguer foi na ocasião de seu lançamento oficial, na feira gastronômica Smorgasburg, o maior festival de comida de rua do mundo que teve sua primeira edição em São Paulo no início de junho de 2019, há 84 anos. No intervalo de uma semana vi tantos releases falando do evento e do hambúrguer que decidi prestigiar a classe (assessoria de imprensa da Fazenda Futuro) e ver qual era.

(Foto: Acervo pessoal)

No quiosque da Lanchonete da Cidade, restaurante que adotou o Futuro Burguer em São Paulo, só era possível pedir o LC Futuro, um X-salada básico 100% vegano feito com queijo Nomoo e maionese vegetal. Custou R$25 e achei meio qualquer nota, pequeno e pouco caprichado, mas dei um desconto pela ocasião da feira e a necessidade de se produzir rápido para evitar filas.

O Futuro Burguer, no entanto, me deixou meio bolada. "Que bruxaria é essa?", pensei depois da primeira mordida ao ver o suco da beterraba escorrendo como sangue. O gosto, contudo, é bem mais leve que o de um hambúrguer artesanal bovino, e imediatamente me veio à mente o gosto de um hambúrguer de peru Sadia, mas de um jeito bom. Nem lembro se já comi um hambúrguer de peru Sadia pra saber. Saldo final: Nem Melhor, Nem Pior, Apenas Diferente.

Após relatar minha experiência no Instagram, meus amigos da rede social me incentivaram a dar uma nova chance à iguaria, mas dessa vez em um dos outros sanduíches da Lanchonete da Cidade. Isso é realmente legal, pena que exclui os veganos da brincadeira: no restaurante, você pode pedir pra substituir qualquer um dos hambúrgueres da casa pelo Futuro Burguer. Experimentei dois: "Cooper" (molho inglês, cheddar Joseph Heller e mostarda dijon no pão de hambúrguer preto) e "Paris" (queijo brie Serra das Antas, cogumelos e molho poivre no pão de estrela).

O veganismo que me perdoe, mas achei os dois bem mais gostosos que o LC Futuro original. Ainda acho os sanduíches da Lanchonete da Cidade pequenos, mas estavam caprichados o suficiente pra valer o preço na faixa de R$26 a R$30, não lembro mais quanto paguei.

"Cooper" @ Lanchonete da Cidade (Foto: Acervo pessoal)

Quando discorri sobre a diferença entre salsichas vegetais e animais, defendi a importância de se emular a experiência completa de se comer um cachorro-quente em vez de soluções alternativas mais saudáveis, tipo a salsicha de cenoura. Não sei se esse pensamento vale para um hambúrguer.

Isso porque, animal ou vegetal, a salsicha é um alimento que em sua essência possui a característica de parecer qualquer coisa, menos algo natural. Portanto, sua origem faz pouca diferença na experiência - nada contra, muito pelo contrário. Já o hambúrguer realmente traz em seu ethos a identidade da carne, e não sei até que ponto isso é bom. Ou melhor, para quem isso é bom.

Para pessoas em transição ou vegetarianos/veganos que sentem muita falta de carne acho o Futuro Burguer uma solução perfeita, para quem apenas quer reduzir o consumo também. Mas ouvi relatos de pessoas que não gostaram justamente porque é tão parecido com carne que chega a causar uma certa repulsa. Ainda não cheguei nesse estágio, mas entendo o incômodo.

Nesses tempos que estive ausente, andei escrevendo sobre economia e negócios (kkkk) e nas minhas pesquisas em veículos startupeiros li muito sobre foodtech e o mercado (rs) plant based, que inclusive é matéria de capa (que coisa mais ANTIGA) da edição mais recente da revista Exame. Como o ano é 2019, o jornalismo acabou e ninguém mais assina revista, vou deixar aqui a chamada da reportagem:

"A reinvenção da comida: carne sintética, superalimentos, ingredientes modificados, produtos orgânicos, com menos gordura, açúcar e sal. Novas tendências de consumo começam a provocar uma revolução na indústria de alimentos em todo o mundo."

A princípio tudo que vem afrontar pra afrontar o agronegócio me interessa, mas tenho lido muito mais sobre a corrida espacial do hambúrguer vegetal em veículos de economia entusiasmados com a novidade do que na minha bolha tilelê. Marcos Leta, empreendedor por trás dos sucos Do Bem (rs) que é o fundador da Fazenda Futuro, parece obstinado em desbancar o mercado da carne, e a próxima fase é tornar o Futuro Burguer mais barato também nos supermercados.

Não vai me surpreender se esse futuro transformar um movimento sobre menos consumo e mais sustentabilidade numa coisa de arrombado, tão inovador quanto colonizar o espaço pra destruir mais um planeta quando esse aqui acabar. Mas ei, nós temos sanduíches!


Diante de todo esse agito, resolvi voltar com o blog na esperança de que algum desses empreendedores me chame pra comer hambúrguer de graça pra depois reclamar deles aqui. Vamos todos morrer mesmo.

Futuro Burguer: 7/10

Edit: A Fazenda Futuro lançou essa semana o Futuro Burguer 2.0, com a promessa de ser uma versão mais saudável e menos gordurosa do primeiro. Meu amigo Gio cobriu o lançamento pelo veículo de tecnologia Gizmondo e contou o que achou da novidade.

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Sexo e a cidade: em busca do bar de date ideal

Em São Paulo todo mundo está procurando um trabalho, um apartamento e um amor. Essa frase não é minha, é da quinta temporada de Sex and the City, e fala sobre a Nova York idealizada de Carrie, Miranda, Charlotte e Samantha, mas minha amiga Tany adora usá-la para falar sobre a nossa vida em São Paulo.

Na semana em que me mudei, sete dias depois do meu aniversário de 25 anos, comecei a assistir Sex and the City. É claro que fiz isso. Não existe nada mais clichê do que ser uma jovem adulta na cidade grande que compara suas experiências com Sex and the City. Por mais que eu não espere encontrar na série um espelho da minha realidade, preciso concordar que todo mundo aqui está mesmo procurando um trabalho, um apartamento e um amor, e parece que eu estou sempre em busca dos três.

Nessa economia o amor tem sido a ambição mais simples de resolver, e por amor eu me refiro também à experiência de sair com uma pessoa, conversar a noite inteira e depois nunca mais falar com ela. Tendo em vista essa motivação, há algumas semanas minha amiga Hianna descobriu um novo bar com potencial para ser um bom bar para dates e eu e Tany fomos as cobaias escolhidas para testar o estabelecimento - afinal, date de amigas é o único date ideal.


Tratava-se do Mundi Bar, em Perdizes, inaugurado em abril desse ano com a promessa de trazer drinks do mundo todo com inspiração nas viagens do empresário, um farmacêutico e bioquímico que largou tudo por sua paixão por viagens e coquetelaria. Uma clássica história de empreendedorismo!!!

Posso falar mais sobre o estabelecimento depois, mas não tenho muitas informações para oferecer pois ficamos bêbadas muito rápido e estávamos no Mundi Bar naquela noite para avaliar algo mais complexo do que comes, bebes e o nível de arrombamento da experiência. Quando saímos de lá para tomar uma cerveja num lugar mais barato, a pergunta que não queria calar era: seria o Mundi Bar um bom bar para dates?

A conclusão foi não, e tal e qual Carrie Bradshaw voltei para casa pensando: numa cidade em que todo mundo está em busca de um amor, o que seria um bar de date ideal?

Inspirada pela montagem tosca no início de cada episódio, fui atrás dos meus amigos em busca de uma resposta para essa urgente questão.


Matrona da busca pelo bar de date perfeito, Hianna Alves - 34, "infelizmente heterossexual" e identificação pessoal com Miranda Hobbes - deu um bom panorama sobre o que se deve buscar nessa empreitada:
"Apesar de andar num momento de extrema preguiça com homens em geral, date costuma ser uma situação gostosinha, mas que me deixa sempre ansiosa. Num primeiro contato, prefiro que seja perto de casa. Assim, se for ruim, não vou ter gastado dinheiro à toa com transporte. Se for bom, já posso quem sabe até estender o date. Também prefiro que seja num lugar no qual eu já esteja familiarizada. Date é uma oportunidade que você tem de conhecer e conversar com a pessoa, então é arriscado demais ir a um lugar desconhecido para ambos. Vai que é barulhento ou cheio de jovens ou cheio de jovens barulhentos? Desastre total.
Aqui em São Paulo a gente encontra muito bar conceito que investe mais em balcão do que em mesa. Eu acho essa ideia simplesmente péssima. Tem que ter mesa pra vocês sentarem um de frente pro outro e formar assim aquela atmosfera gostosa de flerte e de olhares. Cerveja e uns petiscos costumam funcionar bem. Você não corre o risco de ficar bêbada rápido demais (e falar umas bobagens) nem de comer algo muito pesado que pode atrapalhar na hora do beijo."

"Primeiramente elimine todos os espaços de luz alta", é o conselho de Ana Clara, 28, heterossexual, sommelier e Charlotte relutante. "Se você sente que durante a noite quer beijar, senta no balcão ou em um sofá.", complementa, mas a dica de ouro é: "Se você não tem certeza do tanto de assunto que vocês vão ter, escolha um lugar que vai ser um assunto em si. Um bar peculiar ou temático."

Barbara Reis, 21 anos, bissexual se descobrindo a verdadeira Carrie Bradshaw do grupo, usou o estabelecimento Buraco, no centro de São Paulo, para ilustrar seu ponto: "É pequeno, intimista, tem mais bancos fofos do que cadeiras, o que te força a sentar do lado do date, o que acho muito propício. Se estivermos pensando em um date heteronormativo, o perigo de andar sozinha pelas ruas do centro pode ser usado como desculpa para estender seu tempo com o date. Sem falar que tem um potencial inegável para trocadilhos, o que eu valorizo enquanto mulher com vênus em sagitário."


Stephanie Noelle, 29 anos, uma amiga chique e uma personagem de Sex and the City sui generis, escolheu o Riviera Bar como seu favorito. "Eu sou muito chata com bar de drinks, bar de date então... A carta de drinks tem que ser ON POINT. Luz baixa, mas não muito escuro pelo amor de Deus. Luz de vela às vezes mas nem sempre."

A iluminação foi um critério apresentado por quase todos os meus amigos. Matheus Fernandes, 25 anos, gay e Samantha - "engraçada e puta" - disse: "Primeiro date tem que ser em bar de amante, não adianta: luzinha baixa, musiquinha de fundo, garçons discretos que não ficam palpitando. De preferência com uma boa carta de drinks, um vinho, caipirinha, e petiscos. Não vai pedir um OMELETE DE SHIMEJI igual o [redacted] fez comigo."

Odhara Caroline, 25, heterossexual, Miranda attitude/ Carrie feelings, lembrou da importância da sobremesa: "Cadeiras confortáveis, um bom espaço entre as mesas e SOBREMESAS pra você dividir um petit gateau com o possível mozão."

A menção ao petit geateau me fez pensar no Paradigma do Bar Ruim proposto por Antonio Prata, o qual já explorei em outra ocasião.
"Se bem que nós, meio intelectuais, quando convidamos uma moça para sair pela primeira vez, atacamos mais de petit gateau do que de frango à passarinho, porque a gente gosta do Brasil e tal, mas na hora do vamos ver uma europazinha bem que ajuda." 
Antonio Prata - Bar ruim é lindo, bicho!
"A maioria dos encontros de Tinder e coisas do tipo eu levo em bar ruim, que na verdade não acho ruim, mas se o encontro for uma bosta eu não tô gastando muito dinheiro", é a estratégia de Tany Monteiro, 30, "lésbica + Harry Styles", a outra Samantha da minha vida. "Sempre levo em boteco que tenha litrão, que nenhum dos meus amigos vai, e perto de casa porque assim não gasto passagem de metrô. Se for uma bosta o date deu tipo R$20 pra cada. Quanto mais trash melhor, não levo pessoas pra comer e se possível um bar que não tenha nem lugar direito pra sentar."

Contudo, para Matheus Fernandes, informalidade e intimidade são privilégios para dates futuros. Matheus foi responsável por introduzir um conceito muito importante na minha vida amorosa, o da quebra da quarta parede, que tem tudo a ver com a iluminação do local e também com a disputa entre bares ruins e sofisticados. Posso explorar isso numa futura oportunidade, mas fica a recomendação pra vocês: "Depois que criar intimidade [quebrar a quarta parede] taca uma luz alta, manda uma hamburgueria, o que você quiser, mas primeiro date é comida leve, carta de drinks bafo e luz baixa."


Outra grande controvérsia entre os entrevistados foi a respeito do lugar onde sentar. Tem gente que gosta de sentar do lado, tem gente que gosta de balcão, tem gente que gosta de sentar de frente. Clara Browne, 24, se identifica com a cidade de Nova York, a quinta protagonista de Sex and the City, e foi taxativa sobre sentar de frente ser a única opção possível: "Date é pra me admirarem, eu ser validada e daí nunca mais ver a pessoa na vida."

Lucas Rocha, 30 anos, gay do Rio de Janeiro e Charlotte com convicção, afirma: "A experiência de sentar de frente foi ruim. Atrapalhava o toque, a aproximação. Do lado é mais fácil de dar uns beijos. Balcão nem." Luisa Pinheiro, 27 anos, heterossexual, maranhense vivendo em Curitiba, introduziu uma opinião polêmica: "Aqui em Curi é bom tomar chopp em pé para dates também caso as pessoas não estejam tão cansadas. Se for pra sentar que seja de frente, traumas de Gilmore Girls!!!"

Também não sei escolher: já sentei de frente, de lado, no balcão, em sofás e até no colo, e acho que existe o momento certo para cada uma dessas configurações. Minha única certeza é que odeio sentar como se estivesse pilotando a mesa ao lado da pessoa.


Além dessas questões básicas que introduzi a todos os entrevistados, um tema que surgiu em várias conversas e não pode ser ignorado em 2019 diz respeito ao AMOR LÍQUIDO. A melhor solução foi dada pela Luisa, que disse se identificar com a Mouse de The Carrie Diaries mas é a Samantha de acordo com o teste do Buzzfeed, o que pode ser comprovado empiricamente através da seguinte declaração: "[ O bar de date ideal é] Qualquer um que não seja seu bar preferido pra você não acabar perdendo seu bar pra outra pessoa. Mas pode ser o bar preferido da outra pessoa pois fodasse kkkkk".

Seria o nosso relacionamento com os bares o verdadeiro romance dessa história?

Para garantir representatividade na amostragem da minha pesquisa, achei que seria importante ouvir a opinião de um homem hétero. Afinal, o que querem os homens heterossexuais?
"Nem sei mais o que é isso, não sou de marcar dates. Mas se marcar provavelmente será no Beirute da Asa Norte. O Beirute é um dos bares mais antigos de Brasília, talvez o mais. Na verdade o da Asa Sul, o da Asa Norte abriu um pouco depois mas atualmente é mais frequentado. Gosto disso, de lugares já tradicionais e que grupos variados de pessoas frequentam, não só os jovens. Tenho aversão a lugar de jovem." 
Túlio Amaral, 28, disse que não tem condições de responder qual personagem de Sex and the City mais se identifica e não soube citar um outro personagem de série, então escolheu o Menino Maluquinho. 

Se você está familiarizado com Sex and the City provavelmente sabe que chegamos no final do episódio, o momento em que Carrie Bradshaw tem alguma epifania sobre o tema da vez. Eu já tive dates que começaram em livrarias (infelizmente mais de um), dates de café da manhã, date em que fui direto do trabalho sem saber que era um lugar chique (com piano e luz de velas!!) (dica: sempre tenha um batom vermelho na bolsa), e alguns dates absolutamente perfeitos - seja em bares ruins, em que éramos interrompidos por bêbados e gente querendo vender poesia, ou bar de amante com taça de cristal. Mas eu não sou a Carrie pra tirar uma conclusão a partir de alguma dessas experiências supostamente reveladoras.

Ainda não sei qual personagem de Sex and the City mais me identifico, mas adoro quando dizem que sou "muito Miranda", por isso encerro essa investigação dizendo que estou solteira e disponível para testar bares de date. O importante é a jornada não sei o que não sei o que lá. Feliz dia dos namorados!!